O GOLPISMO DO 7 DE SETEMBRO PODE SER A CORDA PARA O PESCOÇO DE BOLSONARO

Se a manifestação do 7 de setembro for fraca, mesmo que não seja um fracasso total, Bolsonaro ficará fragilizado e poderá tentar radicalizar ainda mais, na tentativa de se reerguer e se fortalecer com a sua turma. Se for forte, se transmitir determinação do apoio de militares da reserva (e também da ativa), poderá ser

A DIREITA SOB O COMANDO DOS MILITARES NAS RUAS

Os militares sempre estiveram misturados aos manifestantes pró-Bolsonaro, não como figurantes, mas apenas como coadjuvantes. Nos passeios de motos do sujeito, dizem que eles são maioria, a partir da observação do perfil dos presentes, do tipo físico, óculos escuros, jaquetões, maneirismos etc. O 7 de Setembro poderá marcar, pela primeira vez, a hegemonia dos militares

O GOVERNADOR, E NÃO O EXÉRCITO, DEVE IMPOR AUTORIDADE PARA EVITAR MOTINS

Está disseminada a tese de que o Exército deve intervir, não se sabe como, no processo de politização das polícias militares que fazem militância pró-golpe e ameaçam com motins. Toda a argumentação nessa linha é um equívoco, se examinada sob o ponto de vista das obviedades constitucionais ou sob o olhar subjetivo da política. E,