AS CHINELAGENS DOS GENERAIS GOLPISTAS

As circunstâncias ampliam uma pergunta sempre incômoda: com quem estariam hoje os militares brasileiros, se Bolsonaro tentasse transformar o blefe em golpe? A resposta é dada pela História: só se sabe mesmo na hora do golpe. As posições são determinadas por convicções, oportunismos e muito também por covardias. Num golpe clássico, com intervenção do poder

A DELAÇÃO DO GENERAL GOLPISTA QUE SE ACOVARDOU

A sensação na imprensa e nas redes sociais bolivianas no momento é a lavação de farda suja dos militares que aplicaram o golpe em Evo Morales em novembro de 2019. Se prestarmos atenção no que acontece lá, poderemos prever o que pode acontecer aqui, se o blefe de Bolsonaro for levado adiante. Relembremos antes que

A CUMPLICIDADE COM OS GOLPISTAS BOLIVIANOS

O Brasil pode estar dando abrigo a dois foragidos da Justiça boliviana, o ex-chefe das Forças Armadas Williams Kaliman, desaparecido na semana passada, e o ex-ministro da Defesa Luis Fernando López, que já estaria aqui há muito mais tempo. Os jornais bolivianos informam que os dois fugiram para o Brasil, onde certamente desfrutam da proteção