FOLHA NÃO PEDE DESCULPAS A DILMA ROUSSEFF

O diretor de redação da Folha, Sérgio Dávila, publica hoje um longo texto sobre o já famoso, ofensivo e desastroso editorial intitulado “Jair Rousseff”, para finalmente admitir que foi uma “escolha infeliz”. O editorial é de 21 de agosto. A Folha é lerda quando precisa dar explicações. Dávila admite que o jornal errou ao colocar

OS QUATRO ANOS DO GOLPE CONTRA AS MULHERES

Em qualquer parte do mundo onde houve ou há instabilidade política, nos últimos anos, a capacidade de reação do povo nas ruas sempre foi maior do que a dos brasileiros. Na Bielorussia, o governo de Aleksandr Lukachenko pode cair pela ação das mulheres. Há inquietação mundial, mesmo em meio à pandemia. Mas poucos se atrevem

Sede O Globo

A VIDA BANDIDA DE GLOBO, FOLHA E ESTADÃO

A grande imprensa brasileira vive um dilema permanente como inimiga de Bolsonaro. Folha, Globo e Estadão batem no sujeito, e só nele e na família e poucas vezes em alguém mais do governo, porque ele os alertou de que todos seriam seus inimigos. Por bater em Bolsonaro, quase sem consequências, é preciso que de vez

As mulheres e as entranhas do bolsonarismo

São valentes os machos que atacaram Dilma em matilha dentro do avião. Os machos do bolsonarismo se unem para atacar mulheres, negros, pessoas com deficiência, índios e idosos. O bolsonarismo é um ajuntamento de homens que temem as mulheres. No mundo instável do bolsonarista inseguro, a mulher é sempre a maior ameaça. Ex-aliadas devem contar

Moro ainda está na ativa

A Polícia Federal tentou, mas o ministro Edson Fachin negou hoje o pedido de prisão de Dilma Rousseff. A polícia de Sergio Moro queria a prisão preventiva de Dilma, para mais investigações da Lava-Jato, sob argumentos diversos e convicções variadas. Dilma não se acovardou e sua assessoria largou uma nota em que acusa o ex-chefe

QUEM TEM AS MÃOS SUJAS DE SANGUE?

Dilma Rousseff vai processar Bolsonaro. O homem que desmente à tarde o que disse pela manhã (como desmentiu que tivesse feito acordo para indicar Sergio Moro ao Supremo) afirmou em Dallas: “Quem até há pouco ocupava o governo teve em sua história suas mãos manchadas de sangue na luta armada. Matando inclusive um capitão, como