O CENTRO ACOVARDADO

Chama-se Centro Democrático o partido de direita que venceu a eleição na Colômbia com o candidato Iván Duque.
É estranho, mas não é tanto. No Brasil, um partido de direita se define como Progressista. Outro se anuncia há muito tempo como Democrata, para ser confundido com o partido americano que acolhe exatamente os setores progressistas. Mas aqui os democratas são a direita da direita.
A imitação do Podemos, que na Espanha é a marca da tentativa de renovação da esquerda, aqui é também direitista. O partido que se diz da social-democracia é igualmente liderado e sustentado pela direita.
E onde estariam hoje os políticos de fato de centro, remanescentes ou herdeiros daqueles que que ajudaram a conduzir a luta pela volta da democracia no Brasil?
Onde estão os políticos, os empresários e os juristas e os profissionais de formação dita liberal, que se se esconderam desde antes e depois do golpe, com raras exceções?
A direita engoliu o centro no Brasil. O centro se deixou ser devorado pelo reacionarismo. O avanço do fascismo e do Judiciário partidarizado (que estimula muito das aberrações que prosperam por aí) acabou com o centro.
Na Colômbia, no Brasil, na Argentina, em toda parte a direita dissimulada finge ser o centro que não existe mais ou se escondeu em algum canto, envergonhado com o próprio acovardamento.

(A charge é do Edu Oliveira)

A Seleção sem força

Uma sensação muito ruim de que a Seleção parece refletir a situação do país. Na adversidade, o time esmorece, como o povo esmoreceu depois do golpe.
É algo que vem desde a Copa de 2010, quando os jogadores parecem ter perdido, naquele jogo com a Holanda, quase tudo que a Seleção acumulou de vitalidade e dedicação à luta a partir de 1958.
Foi em 2010, com aquele time de pernas frouxas, que tudo começou, até o desfecho dos 7 a 1 em 2014. Foi em 2014 que o mundo viu pela primeira vez o capitão de uma equipe chorar num canto, afastado dos liderados.
Para completar, a direita se apropriou da camiseta da Seleção e da bandeira. A direita verde-amarela do golpe e do ódio fundamentalista pode ter amaldiçoado o futebol brasileiro.

Por que sumiu?

Além do árbitro de vídeo, também o Ronaldo Nazário (que parece estar com a chapa frouxa) sumiu antes do final do jogo na Globo. Será que também levou um empurrãozinho e o juiz não marcou pênalti?
(O árbitro de vídeo só entrou para aumentar a confusão, não para eliminar erros. Se eliminasse, qual seria a graça? E o Nazário é um caso de masoquismo da TV e dos telespectadores, inclusive eu, que têm atração pelo trash e pela opinião média sem nenhuma originalidade, sem nenhuma sacada, sem nada que diga algo acima do que todo mundo está dizendo.)

O EMPURRÃOZINHO

Nenhum atacante do Sá Viana, do Ferro Carril, do 14 de Julho, do São Gabriel ou do Grêmio Santanense tiraria um zagueiro do Guarani do Alegrete da jogada com um empurrãozinho como aquele do suíço em cima de Miranda.
É muita moleza. Zagueiro, zagueiro mesmo, não amolece diante de um empurrãozinho. Não é, Paulo Renato Rodrigues?
É isso, Rui Fabres? Fala, Luizinho Tristão. Me conteste, Valderli. Confirma, José Airam? Tem fundamento um empurrão frouxo daqueles, Villa?
Pastel, Nelson, Grillo, Kako Perfeito, Bibi, Grisa, Jason, Élvio, Celso, Bola, Miguel Castro, Moisés Moisa, Juliani, Japur: um empurrão como aquele, com a mão mole, aconteceria assim, na facilidade, na zaga do Guarani do Alegrete?

Resistência

Meu amigo Marcos Trindade me perguntou na sexta-feira se eu preferia ver no sábado o jogo do Peru com a Dinamarca ou comer uma costela.
Pensamos por meio segundo e decidimos pela costela, assada pelo David Stival na casa do Diógenes Oliveira. Trindade espetou a carne. Diógenes fez a salada e o arroz. Mas eles não me deixaram fazer nada, talvez por falta de confiança no que apresentei como virtudes de fronteiriço.
Sabe-se que todos eles são da militância e da liderança histórica de esquerda, de antes e depois do surgimento do PT. Aprendi mais um pouco. Com o jogo do Peru com a Dinamarca eu não iria aprender muito.

A imagem pode conter: 4 pessoas, incluindo David Stival e Moisés Mendes, barba

A PRAÇA É NOSSA

Diálogo entre Galvão Bueno e Arnaldo César Coelho no primeiro tempo do jogo do Brasil com a Suílça.
Galvão:
– O juiz está atrasado. Ele apita depois da cobrança da falta, Arnaldo.
E Arnaldo esclarece:
– O áudio é que chega atrasado pra nós, Galvão.
E o jogo segue. Segundo Galvão, com o juiz apitando depois do próprio apito.

A SUÍÇA E OS CORRUPTOS TUCANOS

Sei pouco sobre o que mudou na Suíça que enfrenta o Brasil na estreia da Copa. Sei basicamente que a Suíça escondia e ainda esconde dinheiro sujo do mundo todo.
Mas que nos últimos anos decidiu, para cumprir acordos internacionais e por algum drama de consciência, rever sua conduta. Passou a exercer controles sobre a origem do dinheiro que busca proteção em seus bancos.
Sei que foi a Suíça que mandou dizer ao Ministério Público de São Paulo, hámais de 10 anos, que deveriam investigar o cartel do metrô. Que havia indícios claros de suborno, de propina e outros roubos envolvendo gente do governo tucano e a empresa suíça Alstom.
Sei que foi a Suíça que mandou dizer ao Ministério Público e à Justiça do Brasil que o tucano Paulo Preto (laranja de José Serra) tem mais de R$ 200 milhões suspeitos, que passaram por lá e foram enviados depois para outros paraísos ficais.
Sei que foram os suíços que denunciaram a existência de contas de Aécio e outros da direita. É impossível publicar toda a lista.
E o que aconteceu até hoje, apesar dos avisos dos suíços? Nada. Todos estão soltos e pate do processo do metrô tucano foi engavetada agora por prescrição..
Sei também que, no cerco a Dilma e Lula, tentaram de todo jeito produzir alguma suspeita da existência de contas na Suíça. E o que sei é que nenhuma autoridade suíça acusou Lula e Dilma de terem conta escondida.
Mas Dilma foi golpeada e Lula está encarcerado para que não dispute a eleição.
Em homenagem aos suíços, pelo esforço que fizeram para ajudar a pegar corruptos tucanos, eu torço hoje por um empate. A Suíça ajudou a desmascarar a farsa da Lava-Jato.

PAULISTAS

Eu gosto dos paulistas. Leio agora que até hoje eles caçam pokémons no parque do Ibirapuera. Tem gente que nem lembra mais o que é pokémon, mas paulista não só lembra como ainda sai a caçar.
Meu amigo Juan Domingues imita paulistas em aviões. O cara aquele que senta ao seu lado e puxa conversa sobre qualquer coisa, a partir de qualquer gesto seu.
Se alguém pega a maleta de mão no bagageiro, o paulista provoca: você é cearense, porque só cearense pega a maleta desse jeito. Acertei? E começa o lero.
Paulistas são cariocas que dão à conversa fiada um sentido de utilidade. Paulista não joga conversa fora, ele troca informações. Sobre o inverno lá e aqui, o novo cabelo do Neymar e a possibilidade de Pedro Parente voltar pra Petrobras.
Eu gosto muito dos paulistas e chego a suspeitar que são o povo mais cordial e educado do país. Desde que sejam de esquerda, porque os de direita são muito chatos.
Eu já peguei taxistas tucanos insuportáveis (e como tem taxista tucano). Mas é uma maravilha pegar um taxista lulista.
O paulista que deseja a libertação do Lula é um sobrevivente na terra que a direita e os pokémons parecem ter tomado para sempre.

A JUSTIÇA TUCANA

Ainda a respeito da pressa da Justiça contra Lula e os petistas e da lentidão no julgamento de processos contra tucanos (que caminham quase sempre para a prescrição), vale lembrar uma entrevista recente que o procurador da República Celso Tres concedeu à Patrícia Fachin, da revista IHU, da Unisinos.
Tres é referência no combate ao crime organizado por ter atuado no caso Banestado, que a Justiça acabou engavetando porque envolvia muita gente poderosa.
Pois o procurador fez a seguinte conta, considerando a prisão do mineiro Eduardo Azeredo pelos crimes do mensalão tucano, 20 anos depois dos roubos.
Se o ritmo de prisão dos tucanos for mantido pelo modelo Azeredo de punição, Aécio somente será preso em 2038.
A partir dessa conta do procurador, eu fiz outras. Aécio iria para a cadeia aos 78 anos. Alckmin, o homem dos trens, da merenda e das propinas da Odebrecht, seria encarcerado aos 85 anos. E Serra, o chefe de Paulo Preto e dono da maior parte das contas secretas de mais de R$ 200 milhões na Suíça, seria preso aos 96 anos.
A conclusão é esta: na verdade, Celso Tres pode estar fazendo contas sem sentido, porque talvez nenhum deles venha a ser preso. Muitos crimes de Serra, Fernando Henrique, Aécio, Aloysio Nunes e Alckmin já prescreveram.
O único enjaulado será mesmo Eduardo Azeredo. Os outros ficarão para a História como os velhinhos corruptos e impunes do PSDB.