Juro de parar o trânsito

Seu Mércio esteve na ferragem hoje para comprar 30 buchas de parafuso número 10. Entrou e saiu correndo porque precisava ir a uma loja de coisas para o lar. Se deixasse para ir mais tarde, na hora do pico, não conseguiria entrar.
As pessoas enlouqueceram com o juro baixo, me disse seu Mércio. O juro de 7% levou todo mundo às compras. Estão comprando o que não precisam, só para aproveitar o juro baixo. Tem gente comprando até butijão de gás em 12 vezes.
No sábado haverá passeata na Aberta para comemorar a queda histórica do juro. O juro baixo vai parar o trânsito.

O golpismo metido a esperto

Por que o fascismo não usa títulos de músicas produzidas pela direita para batizar operações que conspiram contra a democracia?
O William Waack (onde enfiaram o cara?) não tem nenhuma música sobre diversidade ou coisas de brancos?
O Diogo Mainardi só escreve romances medíocres, não escreve músicas? Que tal uma música do Tiririca? Um bordão do Silvio Santos. Uma marchinha da Globo ou um poema do jaburu-da-mala.
O golpismo deve achar que chegou à perfeição zombando até da memória cultural da resistência. Devem estar bem assessorados. Mas um dia, como disse Renato Russo, ainda vamos cuspir de volta o lixo do golpe em cima de vocês.

O XERIFE E O MAFIOSO

O diretor da Polícia Federal confraternizando com um mafioso tucano, em foto publicada hoje pela Folha, repete imagens semelhantes de Sergio Moro com Aécio e com o jaburu.
Xerifes não podem sentar à mesa com bandidos. Não adiante se desculpar, como Moro se desculpou, de que foi um acaso (mesmo que esteja em divertida conversa com o jocoso Aécio).
O delegado deveria chamar o pessoal do cerimonial e dizer: não sento ao lado deste cara. Um delegado não pode confraternizar com o tucano Clésio Andrade, que renunciou ao mandato no Senado para escapar da Justiça.
É ainda mais acintoso porque isso acontece no momento em que a Polícia Federal sob seu comando caça professores de universidades públicas.

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2017/12/1941376-diretor-da-pf-senta-a-mesa-de-reu-do-mensalao-tucano-em-festa.shtml

 

FATOS & FOTOS

Li agora o Santiago Neltair Abreu se queixando que o FaceBook fez um balanço do ano com as imagens que passaram pela timeline dele e que ali aparece o Sergio Moro na capa da IstoÉ (aquela foto em que a cabeça é do Moro, mas o corpo parece ser do jaburu).
Pois informo ao Santiago que o meu balanço do ano feito pelo Facebook começa com uma bela foto do Olívio Dutra numa parada de ônibus.
É uma foto do Denilson Fagundes, publicada no Sul21, que republiquei há umas duas semanas aqui.
Eu gostei da edição de fotos do Facebook, mesmo que tenha uma foto do jaburu-da-mala.

ANDREA ESTÁ LIVRE DA TORNOZELEIRA

E segue a Operação Minas. Na quarta-feira, a Polícia Federal prende o reitor e a vice-reitora da Universidade Federal de Minas e o Superior Tribunal de Justiça abre processo contra o governador Fernando Pimentel.
Na quinta-feira, o ministro Marco Aurélio Melo revoga no Supremo a prisão domiciliar da irmã de Aécio, Andrea Neves, e do primo deles, Frederico Pacheco, o Fred da mala do Joesley, a mula que Aécio poderia mandar matar depois do serviço feito. Os dois já podem cruzar as pernas sem tornozeleiras.
Aguardem que poderemos ter mais informações da Operação Minas a qualquer momento.
(Para relembrar. É a segunda vez que Marco Aurélio toma decisões em favor dos Neves. Em junho, ele determinou que uma decisão do ministro Edson Fachin, que afastou Aécio do Senado, fosse revogada.)

Os economistas de plantão podem explicar a queda do juro básico com todos os malabarismos possíveis. Mas a explicação mais honesta passa ao largo da grande imprensa e do Jornal Nacional. O juro básico cai (e só o juro básico) porque o golpe matou a economia.

Dirceu e Aécio

Tem gente espantada porque uma professora de Caruaru, Pernambuco, usou uma carta escrita por José Dirceu em uma prova de interpretação de texto.
Reagiram porque Dirceu é um condenado que já pegou cadeia. Ora, se a professora pedia uma reflexão sobre o sistema prisional e a carta trata da vida na cadeia, como iriam fazer interpretação de texto com alguém que nunca foi preso?
O Aécio, por exemplo, nunca poderia ser usado como inspiração numa prova como esta. Primeiro, porque nunca é preso. Segundo, porque não se tem conhecimento de um texto, uma cartinha que seja, que ele tenha escrito na vida.
Aécio só poderia ser tema de uma composição à moda antiga com este título: O helicóptero.

AS IGNORÂNCIAS

Volto ao tema das ignorâncias. Saiu agora uma pesquisa que deixa o Brasil muito mal como país que está fora da realidade.

O Instituto britânico Ipsos Mori entrevistou pessoas de 38 países, para saber o que elas pensam sobre economia, costumes, indicadores sociais, criminalidade e outros assuntos.

O próprio Ipsos já chamou a pesquisa de Índice de Ignorância. O Brasil é o penúltimo colocado em percepção da realidade (só ganha da África do Sul). Em 36 países seus habitantes sabem mais das suas realidades do que os brasileiros sabem do seu próprio país.

Os brasileiros pensam que moram em outro país. Os líderes, os que mais sabem das próprias realidades, são os habitantes da Suécia, Noruega, Dinamarca, Espanha e Montenegro.

Li detalhes da pesquisa, que lida com respostas com informações aproximadas sobre índices, por exemplo. Acho que tem muita bobagem (como alguém vai saber, mesmo que como chute, qual é o índice de adolescentes grávidas no Brasil). Mas, no geral, mostra que a população recebe uma enxurrada de informações distorcidas ou superestimadas da TV, do rádio, dos jornais, dos políticos, das pessoas que fazem a cabeça média da maioria sobre o país e o mundo (fora a informação sonegada).

É com isso que o golpe conta para continuar evoluindo. Os golpistas finalmente perceberam, quando começaram a golpear Dilma e a perseguir Lula, que a desinformação é maior do que se pensava. E que é possível produzir ainda mais desinformação. As ignorâncias mantêm uma população na inércia.

Mas as esquerdas não gostam de tocar no assunto. Porque levar em conta esse dado seria considerar o povo ignorante e admitir os erros da própria esquerda. Não. Ninguém classifica ninguém como ignorante. O que se passa no Brasil é que o povo está submerso em ignorâncias produzidas.

O golpe produz ignorâncias e conta com isso para se manter. O brasileiro que elegeu Doria e o gestor Despacito foi engambelado por essa gente. O Brasil precisa reagir à produção de ignorâncias. O Brasil arcaico tem o domínio de tudo. Esqueça a CIA, o FBI, o Trump.

O Brasil que não sabe o que é vem sendo manipulado pelo Caiado, pelo Bolsonaro, pelo pato da Fiesp, pelo Pauderney, pelo Aécio, pelo Padilha e pelo Quadrilhão. Eles não precisam da CIA para fazer o que têm feito. Só precisam dos bancos, dos empresários e da imprensa.

O Brasil das ignorâncias existe porque não conseguimos enfrentar o Brasil arcaico. As ignorâncias são um produto nacional.